A Morte do Ego 2.0

A mais de um ano atrás eu fiz um vídeo chamado a morte do ego. Um vídeo polêmico por que fez muitas pessoas caírem na real e verem que elas tão vivendo em uma fantasia. 
Polêmico também por que fez vários psicólogos e filósofos virem simplesmente vomitar aqui nos comentários dizendo “Copini para de falar merda não tem como matar o ego. Eu sou formado em filosofia, eu sou formado em psicologia e eu aprendi que não tem como matar o ego e blábláblá. E  você Copini é formado em que?”

Sou formado na vida, sou formado no sofrimento, na frustração na raiva no ódio, na superação E lhe digo, eu não sou ninguém eu não sou importante, mas eu sou o Copini, e seja bem-vindo a mais um vídeo.

Eu tenho um canal com 165 mil inscritos, e eu me considero o melhor canal de desenvolvimento pessoal, e eu quero ser cada vez melhor e ter cada vez mais inscritos. E aí, será que eu estou agindo pelo ego? Sim ou não?

Talvez, depende do contexto.

Há muito tempo atrás eu criei esse projeto Alphalife, bem antes de abrir um canal no youtube. Um projeto totalmente focado em sedução. E naquela época o que representava a sedução pra mim era o poder de seduzir mulheres, o poder sobre as outras pessoas. Hoje em dia sedução representa a paixão, o momento com a pessoa, o beijo o sexo.

Enfim, eu me perdi no meio do caminho e eu me perdi por causa do ego. É tipo Justin Bieber, um adolescente com muita grana, um poder que ele não sabe administrar e faz com que ele se perca, ele se perdeu.

E na tentativa de me reencontrar eu despertei pro meu eu. E a minha evolução começou caminhar de uma forma diferente. Se você pegar meus primeiros vídeos e comparar com os de agora, você vai notar essa diferença.

Toda religião, toda filosofia espiritual, toda forma de espiritualidade, apesar de seus dogmas tem uma cosia em comum; a evolução do ser, a evolução da alma…

Dentro disso existe muita teoria, muito conhecimento, mas em resumo, nada mais do que a superação do ego.

O ego, além de te fazer ter certos comportamentos, põe uma mascara na sua cara. E essa máscara te faz ver o mundo da forma errada. Você tem comportamentos de ego, você age conforme as vontades do ego, e por estar usando uma máscara, você acha que está tudo lindo.

Pras pessoas dominadas pelo ego, a realidade é juntar muita grana, é ter poder, é ser admirado, é ter autoestima com base na admiração dos outros. São os bens materiais, é a ostentação.

É claro que essa pessoa que está lá vivendo na matrix, pra ela está tudo lindo, ela nunca vai me ouvir. Mas Eu fiz esse vídeo pra você, não pra ela.

E se você ainda não está no tempo certo de diluir o ego, não tem problemas, daqui a 1 ano ou 2 anos, você vai cair nesse vídeo de novo.  O universo vai te trazer aqui mais uma vez e você vai estar com os olhos mais abertos. Cada um tem o seu tempo.

Muitas das coisas que você acha boas, são comportamentos de ego, porém, nem tudo é do ego. Raiva, angustia, nojo,  não necessariamente isso é de ego. Afinal, o sofrimento emocional é um dos meios pelo qual nós vamos evoluir.

E o nojo, muitas vezes  vem do intelecto, do nosso senso de justiça. Afinal, nos precisamos saber o que é certo e o que é errado.

E a pergunta do início:

“Eu quero ser cada vez maior e cada vez melhor, será que isso é de ego ?”

Como eu te disse, depende do contexto. Se eu quero ser maior pelo simples fato de ser maior, de me sentir melhor do que os outros, de buscar admiração, de me sentir numa posição acima dos outros, aí sim, é de ego.

Mas se eu quero ser maior por que assim a minha mensagem vai atingir mais pessoas, por que eu sei que eu ajudo as pessoas, aí não é ego, é de alma, é de coração.

Viu como as coisas são relativas?

Nem tudo é de ego, tudo depende do contexto.

E tem mais uma coisa extremamente importante pra falar, antes de falar da morte do ego. Na psicologia existem uns conceitos que são ego, superego e ID.  Quero deixar bem claro que isso não tem nada a ver com o que eu to falando. Então não confunda as coisas.

O ego é uma coisa que está em você, mas não é você. E pra matar o ego não é arrancando ele, e colocando ele contra a parede e espancando ele até ele morrer, não é assim. O ego sofre uma morte lenta e dolorosa, e quem sofre essa dor é você, complicado não é mesmo?. Mas essa dor é proporcional a quantas vezes você quis inflar o próprio ego.

Tudo parte do seguinte principio:

O que é a morte? A morte é a ausência de vida.
O que é o silêncio? É a ausência de barulho.
O que é o vazio? É a ausência da materia.
O que é a escuridão? É a ausência de luz.

A escuridão relativamente não existe, se você quer eliminar a escuridão de algum lugar a única coisa que você tem a fazer é ascender a luz. O ego é como se fosse a escuridão, e a sua alma é a luz.

Pra você tentar eliminar o ego, você pode sim, tentar cuidar os teus comportamentos, as suas emoções negativas os seus desejos do ego. Isso pode até funcionar, mas a um nível temporário e superficial, e além de tudo é difícil.

É muito mas fácil você ascender uma luz. Sempre que a luz quiser se apagar, você vai lá e ascende novamente. Quando a luz se apagar o ego vai voltando. Quando você se condiciona a manter a luz acesa, você se torna a luz, e o ego não tem espaço pra se manifestar e aí ele morre.

Você parou de alimentar o ego, ele ficou com fome, fraco, e ele está sem espaço e aí ele morre.

“Como ascender uma luz em mim mesmo?”

Existe uma coisa a ser feita, apenas uma, não tem como fugir disso.

Caridade, o bem ao próximo.

Caridade pra muitas pessoas é puxar R$10,00 do bolso e doar pro Criança esperança. Mas isso não é caridade. Isso é você tirando um peso da consciência.

Eu não me refiro a você praticar um ato de caridade, e sim você ter uma mente, um estilo de vida, um ponto de vista em relação ao bem ao próximo. Em tomar atitudes em prol da humanidade.

Em outras palavras, você não faz bem ao próximo, você é o bem ao próximo, você vive aquilo.

“Por que esse comportamento de ajudar as pessoas está ligado a diluição do ego?”

Todos nos somos frutos de um princípio vital, esse princípio vital é como se fosse a origem da vida de todos os seres vivos do Universo. O princípio vital que está em mim é o mesmo que está em você. Portanto, de alguma forma somos irmãos, somos parte do Universo como um todo, eu sou você você é eu. Nós somos a mesma coisa, nós somos um todo.

Esse princípio vital faz com que nós tenhamos um centro, muitas vezes chamado de Self, eu interior, alma, ou consciência. Esse é o nosso centro real, que nos une com as outras pessoas.

Mas aí vem o ego. O ego é um falso centro, um falso eu. E ao invés de nos unir com outras pessoas ele nos separa, ele tenta nos individualizar. Fazendo com que a gente sempre tente ser melhor do que os outros e se sobressair sobre os outros. E daqui nasce tudo que tem de ruim no mundo, orgulho inveja, conflitos, egoísmo.

Então a maioria das coisas que você faz, ou são motivadas pelo ego ou alimentam o seu ego, o seu falso eu, o falso centro.

O seu centro real é como se fosse o sol, várias coisas orbitam ao redor desse centro. O Sol, fonte de luz e calor é o núcleo do nosso sistema solar. Vários planetas giram em torno dele, a nossa vida depende disso.

Já imaginou se o sol tivesse um ego?

Ao lado dele teria um outro núcleo, um falso centro. Como as coisas iriam funcionar se existissem dois sois um ao lado do outro? Como seria a gravidade? Ao redor de quem os planetas iam girar? Do sol ou do falso sol?

O que acontece com nós é que nós temos o centro e o falso centro, é como no sistema solar, as coisas que orbitam ao redor de nós ficam confusas, tudo fica confuso. E pra nós, isso é fonte de sofrimento, de conflitos internos de doenças psicológicas e etc.

O único meio de ajustar tudo isso é parar de inflar o próprio ego e tomar atitudes de ego. Isso ajuda, só que isso não mata o ego, ele continua lá e ele faz com que você tenha vontade de inflar o ego novamente, de se autoafirmar.

Então a maneira de matar o ego é se focando na outra parte, no verdadeiro centro, a alma, a consciência, aquilo que nos une com o resto do universo. E é por isso que eu mencionei antes a caridade.

Tem muita teoria por trás de um ato de caridade, de fazer um bem ao próximo, porém o que interessa pra nos é usar ela como ferramenta pra diluir o ego. Toda vez que você ajuda alguém, seja uma instituição de caridade, ou na sua vida mesmo, mas ajuda de coração, sem ser contra a vontade, e sem querer nada em troca, você percebe nitidamente que se ascende uma luz dentro de você. Um bem estar incrível, indescritível.

É como se a sua intuição comunicasse pra você, através desse bem estar de que você está fazendo a coisa certa. E começa a pulsar dentro de você uma energia, uma luz, uma coisa boa. E eu sei que isso está no eu da alma, no seu verdadeiro centro. E por alguns momentos você se volta pra esse centro, e se encontra, conhece a sua essência e vai gostando disso.

Vai gostando de ascender uma luz em si mesmo, vai gostando de praticar a caridade e de reconhecer o seu verdadeiro centro, sua alma. E com o tempo você percebe que aquilo que está do seu lado, o falso centro, não é você é apenas uma máscara que te faz ver o mundo de uma forma totalmente errada.

Alimentando o eu da alma, através da caridade e de atitudes em prol da evolução da humanidade, com o tempo o ego enfraquece, e morre.

E junto com a morte do ego vão embora todos os desejos do ego, todas as paixões de ego, os apegos, a necessidade de controlar tudo o tempo inteiro, ciúmes, possessividade, orgulho e egoísmo.

Toda oportunidade que você tiver de ajudar alguém, faça isso. Não espere nada em troca e faça de coração. E sim, você ganha muito com isso. É um passo a mais pra morte do ego, e pra uma vida sobre uma nova perspectiva.

Sobre o autor

Copini

Sou o responsável pela Alphalife, nos últimos tempos me dediquei a ajudar os homens a conquistar as mulheres e melhorarem seus relacionamentos.

comentários

Alphalife - Matheus Copini - Todos os direitos reservados 2017